O REPLICADOR

Fevereiro 05 2010

Parece que o cancro da má economia deu mais um passo ontem. Segundo o que li nesta notícia um senhor baixo, gordo e de bigode farfalhudo virou as atenções dos monstros do capital para Portugal, uma presa fácil. Pouco mais se pode adiantar daquela notícia senão o agravamento dos empréstimos ao estado e eventualmente a sua repercussão nos investidores lusos.

Claro que a questão essencial não deveria ser “o que fizemos para merecer isto” mas sim “porque um comentário do comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros consegue precipitar a bolsa na maior queda desde a falência do Lehman Brothers”. A resposta é uma economia cujo crescimento é apenas visível à lupa e com a flexibilidade da mentalidade de um jovem da jcp. E isso é a consequência natural de uma terra com
- impostos altos
- mão-de-obra cara e inflexível
- conflitos judiciais que demoram anos a resolver
- infra-estruturas de mobilidade todas ao contrário (entretanto também parece que decidiram que o TGV só vai transportar passageiros o que faz todo o sentido até porque não existem mercadorias para exportar)
- competitividade forjada mediante subsídios que abrangem desde o “incentivo ao investimento” até ao “porque sim”.

Talvez se este fosse um país que seguisse as cartas da Maya a sorte nos fosse mais favorável, porque toda a gente sabe que os pontos que enumerei são apenas consequência do destino e de uma força incompreensível. Ou pelo menos é o que José Sócrates e Teixeira dos Santos andam a pregar pelos microfones.
Talvez esteja mas é na hora de jogar com o que sabem que é “países com leis simples, liberdade e baixos impostos atraem investimento” e parar de tentar resolver os sintomas em vez da doença. Estão a tentar baixar a febre de um doente com malária com ben-u-ron e não é preciso ser médico para saber que isso não serve para nada…

 

publicado por João Rodrigo às 11:36

Curioso ver que na sua análise ao país não foca o nível da distribuição riqueza no país. Curioso não dizer como é que se aumento dos salários mais baixos estimula o mercado interno. Curioso ver como refere "mão-de.obra" barata e inflexivel...quando o vemos é salários de misérias e as empresas a despedir sem qualquer tipo de controlo. Isto um jovem da jcp percebe... o que provavelmente nunca perceberá... é porque é que idiotas como tu... repetem em coro o que ouvem na televisão... sem pensar que o que dizem... foi o que conduziu o país ao desastre. Ao menos há quem sejam paga para isso... tu provavelmente é por gostares de ser mais um ovelha no rebanho... que jeito faz para o tacho xuxa.
Tiago a 5 de Fevereiro de 2010 às 12:37

Também gostaria de saber que mão de obra é essa de que fala, cara e inflexível... em Portugal? Deve viver num Portugal diferente do meu, onde as pessoas são exploradas (já ouviu falar nos milhares que trabalham a recibos verdes? Inflexível? Ou dos desgraçados que trabalham nas grandes cadeias de distribuição, que nem horas extra recebem?) e muito mal pagas...

Isto... há com cada um...enxergue-se, homem, que já deve ter idade para isso!
Figueira a 5 de Fevereiro de 2010 às 14:21

A questão que ao contrário do dogma que estas pessoas aceitam sem pensar... ou não conhece o país onde vivem... ou então não vem... porque não lhes interessa. Mas qual é a dificuldade que uma empresa tem em despedir... em aumentar os horários de trabalho com o novo código do trabalho! A aumento da dispariedade entre ricos e pobre acompanha o acentuar da crise... será por acaso? E mais... se não aumentamos salários como é que o mercado interno se desenvolve?! E mais do que isto choram baba e ranho por 25€ no Salário Minimo Nacional... então e porque é que não pressionam o governo para a EDP, gasolineira naõ serem um monopolio e um cartel no segundo caso? o que as empresas poupariam daria para subir muito mais que 25€... mas isso era quebrar interesses que a podridão desta gente não tolera... Um nojo tudo isto e quem defende tudo isto.
Tiago a 5 de Fevereiro de 2010 às 15:55

Agradeço a todos pelas vossas criticas. Dediquei o meu mais recente post

http://oreplicador.blogs.sapo.pt/53359.html

a respondê-las.
João Rodrigo a 6 de Fevereiro de 2010 às 11:14

Caro Tiago,

Diz que conhece o país mas pelos vistos não sabe que Portugal, segundo instituições internacionais como a OCDE ou a Heritage Foundation, tem um dos códigos laborais mais rígidos do MUNDO (não apenas da Europa). Quanto à distribuição de riqueza, se se preocupasse mais em criar riqueza para a sociedade e menos em redistribui-la já não andava tão chateado com a situação actual porque o país como um todo estaria bem melhor, a não ser que, tal como Nietzsche postulou, apenas proteste devido à inveja (socialista). Em relação ao ordenado mínimo, saiba que países como a Alemanha não têm ordenado mínimo e não precisam dele para terem um bom nível de vida, porque ao contrário do que o esquerdismo que advoga gosta de fazer querer, os ordenados não sobem por decreto de lei, sobem sim pela criação de valor acrescentado. Reivindicações como essas ficam bem a representantes de sindicatos que precisam de justificar a sua existência, mas não num cidadão imparcial. Se os ordenados subissem por decreto de lei o problema da pobreza no mundo estaria resolvido meu caro.

Cara Figueira,

Os milhares de recibos verdes existentes são uma forma das empresas contornarem as leis laborais rígidas. Se quer resolver o problema dos recibos verdes tem de reivindicar um código laboral flexível e não o contrário.
Filipe Faria a 6 de Fevereiro de 2010 às 06:41

Política, Filosofia, Ciência e Observações Descategorizadas
Facebook
pesquisar
 
RSS
eXTReMe Tracker