O REPLICADOR

Junho 09 2009

http://oreplicador.blogs.sapo.pt/tag/criminalidade

 

Porquê o aumento da criminalidade?
Miséria e Pobreza! Como grita a nossa auto denominada esquerda libertária! Pois… é falso, a questão é muito mais profunda do que isso. Quando numa “manifestação pacífica” (LOL) na Belavista os “míseros e pobres” exibem motas e carros de alta cilindrada, vestuário de marca e outros sinais externos de “sumptuosidade” é um pouco excessivo falar desse móbil como determinante comportamental (como se houvesse sequer determinantes comportamentais… mas adiante). Mesmo ignorando estas evidências e tratando tal questão como lateral ou circunstancial as incoerências continuam a cumular-se. O ser humano na sua génese possui uma característica particular chamada livre arbítrio. Em termos muito pragmáticos significa a capacidade de definição de acções livremente pelo mesmo. É nessa premissa que se baseiam noções como o direito ao voto e diversas liberdades políticas actuais, muitas delas aliás caras a essa esquerda que dá os berros histéricos com os quais comecei o texto. Para acções construtivas como o voto essas populações exercem livre arbítrio mas para o vandalismo, roubo e desacato já são “zombies” do determinismo… e há quem não ache isto contraditório.
Estando o behaviorismo refutado há pouco menos de 150 anos, salvo erro, é com segurança que digo que o meio tem um potencial condicionante mas não determinante. Se fosse determinante não existia nenhum tipo de mobilidade social já que os indivíduos eram escravos desumanizados sem mente vítimas do contexto. Monstros com nome de fenómenos sociais e sem qualquer tipo de autonomização. Na tentativa de desculpabilização barata da esquerda retiram através desse pressuposto qualquer característica que não seja a de bestas cegas e raivosas a esses indivíduos. A responsabilização dignifica o indivíduo e dá-lhe o móbil decisório, ou seja respeita ou seu espaço e expressão.
Não podemos continuar reféns destes dogmas deterministas e paternalistas no pensar e agir quanto a este fenómeno. A realidade remete para uma questão mais óbvia. Porque é que os criminosos se dão ao luxo de agirem como agem?

 

publicado por Diogo Santos às 00:36

Política, Filosofia, Ciência e Observações Descategorizadas
Facebook
pesquisar
 
RSS
eXTReMe Tracker